Salvem o agro

Coluna de opinião de Cristovam Buarque, professor emérito da Universidade de Brasília, para o Correio Braziliense em 26/07/2022

 

Faltando poucas semanas para as eleições, não se veem propostas dos candidatos para salvar o agronegócio de três ameaças que sofrerá no futuro. A primeira é a ameaça ecológica.

O agronegócio não sobreviverá às mudanças climáticas que ele ajuda a provocar. A destruição das florestas fatalmente afetará a produção da agricultura local, por isso a necessidade de regras para conservar as matas é indispensável para o agronegócio. Além disso, os impactos do desflorestamento afetam o clima em escala planetária, provocando consequências desestabilizadoras de todo o sistema agrícola: o agronegócio brasileiro não ficará imune. Muitos produtores, com lógica imediatista, ignorando filhos, netos e o Brasil, não veem a conservação florestal como parte da produção agrícola. No máximo, limitam as preocupações às matas dentro de sua propriedade.

Há candidatos que não se preocupam com o equilíbrio ecológico, outros que usam a agenda ecológica em oposição à produção agrícola. Alguns candidatos movidos por preconceitos ideológicos consideram o agronegócio como adversário porque não fazem as contas para saberem o que aconteceria na economia se não tivéssemos o agro. Outros não veem qualquer problema ecológico no Brasil, dizem que se europeus já queimaram suas florestas no passado, temos direito de queimar as nossas, agora, no século 21. Precisamos salvar o agronegócio, trazendo -o para o longo prazo, mesmo que isso exija sacrifícios no imediato. O novo governo deve ser defensor das florestas do mundo, inclusive da Amazônia, para salvar o agronegócio, negociando com empresários para convencê-los a defender os interesses nacionais no longo prazo. Propondo uma governança mundial para todas as florestas, inclusive as nossas.

A segunda ameaça ao agronegócio vem do boicote que se arma no mundo contra a importação de produtos brasileiros. Ao mesmo tempo que tomará medidas protetoras do meio ambiente, o próximo governo tem de ser capaz de usar a diplomacia para evitar o desastre que desabará sobre a economia brasileira quando, em defesa da saúde da Terra, compradores se negarem a comprar nossos produtos. A coincidência do terrível verão que os europeus enfrentam com sucessivos recordes de destruição da Amazônia levará, certamente, à pressão para suspensão de compra de nossos produtos.

Há 180 anos, por razões morais e econômicas, os ingleses proibiram o tráfico de escravos. Inicialmente, nossos escravocratas usaram o conceito de soberania para justificar a continuação do tráfico. O bom senso prevaleceu e o Brasil fez a própria lei proibindo o tráfico, os fazendeiros escravocratas diminuíram lucros, mas mantiveram a demanda por açúcar. Para os europeus de hoje, a queimada da Amazônia é vista como barbárie brasileira, do tipo da escravidão no século 19. O agronegócio do século 21 precisa lembrar dos escravocratas do final do século 20.

O terceiro salvamento do agronegócio tem a ver com o óbvio esgotamento dele no médio e longo prazo, devido a mudanças tecnológicas, geopolíticas e ambientais. Muitos não querem ver, mas aconteceu no passado. As riquezas do açúcar e do algodão se esgotaram no Nordeste, quando a produção foi levada para o Caribe e para o sul dos Estados Unidos; a imensa riqueza da borracha se esgotou no norte, quando seringueiras foram levadas para a Malásia, e quando a borracha sintética foi inventada. São Paulo evitou a debacle do café, graças à preparação para o momento seguinte, da industrialização. Empresários lúcidos e governantes comprometidos permitiram ao Estado dar o salto para implantar o parque industrial, usando o capital acumulado antes da crise de 1929.

O Centro-Oeste precisa se preparar para o futuro, quando a China produzir soja e carne na África, na metade da distância para seus centros consumidores, ou até mesmo na Sibéria Russa, levando produtos de trem para Pequim. Ou quando eles forem produzidos sinteticamente. O próximo governo precisa salvar o agronegócio, preparando-o para os novos tempos da economia do conhecimento. Assim como foi feito em São Paulo ao passar da cafeicultura para a indústria mecânica. O Centro-Oeste deve começar sua marcha do agronegócio para a indústria do conhecimento. Para tanto, o próximo governo precisa oferecer condições para, aliados aos empresários, formular um rumo que faça do Centro- Oeste o nosso Vale do Silício: investir em educação de base, universidades e centros de pesquisa, em uma estratégia para salvar o agronegócio, mesmo depois dele, transformando-o no chipnegócio da economia do futuro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Image by Couleur from Pixabay

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário