Chegamos em 2022. Como estaremos em 2030?

*Isaac Roitman

Comemoramos recentemente o bicentenário da Independência do Brasil. O cenário brasileiro e do planeta não é dos melhores. No Brasil, voltamos ao Mapa da Fome, com uma piora absurda da situação que já era inaceitável. Não conseguimos colocar no horizonte a mitigação da lastimável desigualdade social. O racismo e as barbaridades aos nossos povos ancestrais são realidades do dia a dia. A violência e o extremismo ideológico atingem patamares perigosos. A atenção à saúde, principalmente nas classes mais vulneráveis, é vergonhosa. A ausência de educação de qualidade para todos e todas, é secular e   responsável por essa lamentável realidade. A destruição da nossa biodiversidade tem aumentado comprometendo o futuro das próximas gerações. Na dimensão planetária as perspectivas são catastróficas. As mudanças climáticas chegaram. A vida no planeta pode se extinguir.

Uma pergunta importante emerge: Podemos reverter esse cenário? Penso que sim. O Movimento 2022-2030 o Brasil e o Mundo que queremos, foi criado para ajudar na reversão do quadro dantesco exposto acima. A parceria da União Planetária com a Universidade de Brasília e com a colaboração de pessoas e instituições tem como missão a reversão desse cenário e a conquista de uma sociedade harmoniosa e verdadeiramente humana.

Uma boa bussola para termos uma perspectiva de melhorias substanciais nos próximos anos é trabalhar para alcançar as metas do ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, elaborada por 193 estados membros da ONU em 2015 tendo como tema: “ninguém no mundo fosse deixado para trás”. Partindo de quatro principais dimensões: social, ambiental, econômica e institucional, os ODS defendem que é necessário levar o mundo a um caminho sustentável com medidas transformadoras. Assim, foram definidos 17 objetivos e 169 metas globais interconectadas, a serem atingidos até 2030, como ficou conhecida, “Agenda 2030”.

De acordo com a descrição da ONU sobre o objetivo principal de cada ODS, ele são: 01 – Erradicação da pobreza: acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 02 – Fome zero e agricultura sustentável: acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável. 03 – Saúde e bem-estar: assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades. 04 – Educação de qualidade: assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos. 05 – Igualdade de gênero: alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. 06 – Água limpa e saneamento: garantir disponibilidade e manejo sustentável da água e saneamento para todos. 07 – Energia limpa e acessível: garantir acesso à energia barata, confiável, sustentável e renovável para todos. 08 – Trabalho decente e crescimento econômico: promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo, e trabalho decente para todos.  09 – Indústria, inovação e infraestrutura: construir infraestrutura resiliente, promover a industrialização inclusiva e sustentável, e fomentar a inovação. 10 – Redução das desigualdades: reduzir as desigualdades dentro dos países e entre eles. 11 – Cidades e comunidades sustentáveis: tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.12 – Consumo e produção responsáveis: assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis. 13 – Ação contra a mudança global do clima: tomar medidas urgentes para combater a mudança climática e seus impactos. 14 – Vida na água: conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares, e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável. 15 – Vida terrestre: proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da Terra e deter a perda da biodiversidade. 16 – Paz, justiça e instituições eficazes: promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis. 17 – Parcerias e meios de implementação: fortalecer os meios de implementação e revitalizar a parceria global para o desenvolvimento sustentável.

Os desafios são enormes. Não podemos perder tempo. Vamos todos e todas, colaborar para termos um futuro com muita luz, com muita alegria e com muitas felicidades. Mãos à obra.

* Professor emérito da Universidade de Brasília

Deixe um comentário