Precisamos falar do sucateamento da educação

“Nosso papel vai além de discutir questões salariais, o nosso papel é debater a educação como um todo”, defendeu o sindicalista Mauro Mendes

O “Movimento 2022: O Brasil que Queremos” reuniu-se na última terça-feira, no Memorial Darcy Ribeiro (Beijodromo), com a Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB), Sindicato dos Trabalhadores da Fundação da UnB (Sindtfub) e com o Comitê em Defesa da UnB, para debater a crise orçamentária da instituição, a privatização das universidades públicas no país, cortes de funcionários, verbas e contingenciamento para a educação. O objetivo do encontro, o primeiro do 2022 com esses movimentos, foi unir forças em defesa da universidade e estruturar ações conjuntas.

De acordo com o professor emérito Isaac Roitman, o sucateamento da educação tem sido um ato constante por parte do Governo Federal. “Precisamos falar desta desmotivação que vem acontecendo na educação pelo país inteiro”, defendeu, lembrando dos retrocessos que já ocorrerão na área. “Já aconteceu com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e, agora, com a UnB”.

João Marcelo Cunha, estudante de Sociologia da UnB, avaliou a importância da reunião. “Este encontro vai além de um debate, é uma reunião que busca unir todos os segmentos da UnB e encontrar estratégias de resoluções, buscando referência naqueles que deram de tudo para a Universidade de Brasília ser o que é hoje, os professores eméritos”, lembrou.

Para o sindicalista Mauro Mendes, a gestão pública tem feito um atentado contra a educação. “Estamos passando por um estrangulamento das universidades públicas, e não é por falta de recurso, mas pela má vontade daqueles que nos governam”, ressaltou Mendes.

O Movimento vai continuar discutindo essas pautas em seus grupos de estudo, sobretudo no de Educação, que é coordenado pelo professor Isaac Roitman. Confira a agenda completa das reuniões neste site, na Aba “Eventos”.

 

 

Related Posts

Deixe um comentário