As lições da Tailândia

*Isaac Roitman – 

Foto do Jornal O Globo

Em plena Copa do Mundo, enquanto as estrelas do futebol encantavam as plateias nos estádios da Rússia, doze meninos e o técnico do time chamado “Javali Selvagem”, que passeavam na caverna Tham Luang Nang no norte da Tailândia, se perderam devido a uma inundação. Após nove dias foram localizados por mergulhadores britânicos e uma complexa operação de resgaste foi montada envolvendo mais de 1.000 pessoas entre eles 40 mergulhadores tailandeses experientes, 50 mergulhadores especialistas internacionais e 30 equipes médicas. Um   ex-mergulhador da marinha tailandesa, Saman Kunan de 38 anos morreu na  volta para a entrada na caverna por falta de oxigênio após levar suprimento para o grupo. Felizmente no dia 10 de julho de 2018 a operação  teve sucesso com o resgate de todos. Quais as lições desse episódio?

Desprendimento e solidariedade

Um exemplo de desprendimento foi a atitude do treinador de 25 anos Ekkapol Chantawong que abriu mão de sua alimentação para que os jovens futebolistas tivessem mais chances de sobreviver. Em 2003 ele foi o único sobrevivente da família mortos durante uma epidemia. Ele passou uma década em um templo budista preparando-se  para ser um monge. Certamente o preparo físico e mental do jovem técnico foi fundamental para a sobrevivência do grupo.

O resgate dramático gerou uma comoção mundial. Centenas de voluntários da Tailândia e de outros países se mobilizaram para o resgate do grupo. Essa manifestação de solidariedade global mostra que a civilização humana quando ameaçada e desafiada é capaz de suplantar as adversidades.

As cavernas brasileiras

A quantidade de cavernas descobertas no Brasil tem aumentado em um ritmo muito rápido, especialmente por conta dos avanços tecnológicos e da catalogação destes elementos naturais. Estima-se que o Brasil tenha mais de 16,4 mil cavernas conhecidas e catalogadas, embora os pesquisadores acreditem que exista uma quantidade imensa de cavernas ainda não conhecidas no território brasileiro. A espeleologia é a área de conhecimento que estuda as cavernas e a prevenção de episódios semelhante ao da Tailândia são importantes e recomendados.

Os brasileiros vivem nas cavernas?

O episódio da Tailândia nos induz a refletir que uma grande parte da população brasileira está perdida nas cavernas brasileiras. Não são 13 pessoas, mas milhões de pessoas. Vivem na escuridão e nas condições inóspitas das cavernas e sofrem com a escuridão do analfabetismo, em estado de desnutrição permanente, nos trabalhos indignos, na falta de segurança, na falta de assistência à saúde e outras perversidades da realidade brasileira.

Não serão os mergulhadores que irão tirar o povo brasileiro perdidos nas cavernas e sim a educação. É pertinente lembrar a frase de Malala Yousfzai, prêmio Nobel da Paz de 2014 e que atualmente visita o Brasil: “A educação é a única solução”. Com educação de qualidade para todos os brasileiros certamente teremos uma nova geração de políticos que como os mergulhadores na Tailândia vão libertar os brasileiros confinados nas cavernas tendo a solidariedade, a ética e o espírito público como princípios. A análise dos fatos que ocorreram na Tailândia sob o ponto de vista do potencial humano nos permitem acreditar nessa utopia.


* Professor emérito da Universidade de Brasília e presidente da Comissão Geral do Movimento 2022: O Brasil que Queremos 

Comentários (6)

belíssima (o)
obrigado, Isaac
Michel

Bom dia, Michel! Obrigado pelo comentário. Continue acessando à pagina do 2022 e compartilhe os nossos materiais. Vamos, juntos, construir um Brasil melhor. Abraços

Prezado Isaac,oportuna analogia entre cavernas tailandesas e nossas cavernas a ceu aberto no Brasil. E ainda sem esperança, o mais grave, a pouco ouvi seis presidenciaveis falando para empresários em evento da Cni. Educação não faz parte de nenhuma agenda explicita. Como se fosse possivel estancar a desindustrializacao brasileira sem fortes investimentos, ou melhor, priorizar a aprendizagem de qualidade. A menos de noventa dias da eleição presidencial, aos candidatos resta pouco tempo para injetar o oxigenio em suas plataformas, não como discurso burocrático para cumprir tabela; mas cumprimento real do que irá trazer novos ares aos pulmões da Nação: crianças e jovens em busca
do ar livre que constroi e renova mentes e corações.
Abraço desde Londres, em verão com ares brasileiros.

Dioclécio Campos Júnior

Excelente e sábia reflexão feita pelo grande professor Isaac. De fato, para ser salva da cavernosa realidade em que sobrevive, a maior parte da população brasileira merece o empenho de mergulhadores realmente humanos, éticos e comprometidos com a causa.!!
Parabéns, caro mestre!
Abraço
Dioclécio

Gratidão Isaac por sua incansável luta pela Educação! O Brasil tem jeito!

Dioclécio Campos Júnior

Sábia reflexão do grande professor Isaac. De fato, a maioria da população brasileira, que sobrevive à cavernosa realidade social do país, merece a ajuda de mergulhadores verdadeiramente humanos, comprometidos com valores morais e éticos inegociáveis para as iniciativas a serem tomadas, com coragem e determinação, a exemplo da Tailândia.
Parabéns!

Deixe um comentário